Saudaçoes da OATL aos 30 anos do EZLN

 Saudaçoes da OATL aos 30 anos do EZLN

A Organizaçao Anarquista Terra e Liberdade saúda com muito orgulho e fervor o Exército Zapatista de Libertaçao Nacional (EZLN) por seus 30 anos de vida, seus 10 anos de guerra clandestina pelas vilas e florestas de Chiapas, seus 20 anos de resistência heróica, 20 anos do grande levante armado do dia 1 de Janeiro de 1994 e todos os instantes, meses e fins-de-tarde que seguiram-se e seguem-se de autogoverno, rebeldia, liberdade imediata e profunda. Somos, todas e todos, suas alunas e seus alunos.
Vimos e sabemos que em seus 5 caracóis, suas zonas de autogoverno, seus pequenos pueblos rebeldes enconstados bem dentro da mata, aliados da noite; nas casas de madeira e palha escondidas na fina massa de frio, entre o grande lençol de nuvens cinzas; nas cooperativas e artesanías de Mujeres Rebeldes, em cada plantação coletiva onde brotam, como uma manha fresca, as folhas verde-claras de feijão e milho; nas mãos com farinha branca onde faz-se o pão que se entrega nas mesas, junto ao café quente, as tortilhas e a toalha rubra com flores; nas escolas com salas e muros coloridos com aquarelas, erguidas com trabalho comum, brincadeira comum; no barro e trilhas de lodo que abrem comunidades inteiras, mayas, milenares; destinos, rostos escuros tampados de preto, mostrando ao pôr-do-sol e à chuva apenas os olhos descobertos sempre preparados para a vida e para a guerra.
Em cada uma destas trincheiras erguias na sombra desta vasta serra, à beira de rios onde o povo teme as sereias, promove seus mitos e ritos, venera suas ervas, sua lenha, sua comida, sua terra, realizam-se, em formas concretas (como a pedra, o ferro, o fuzil, a casa, a junta), as oficinas e os fazeres deste “mundo onde cabem muitos mundos” que vocês nos apresentam.
Na comemoração deste aniversario, só temos a agradecer e aprender, companheiras, companheiros, professoras e professores indígenas, zapatistas, insurgentes. Como disse a companheira indígena da Junta de Bom Governo do Caracol II, Oventik – “resistencia e rebeldia por La humanidad” , no dia 1 de Janeiro de 2014, em meio a escura e gelada neblina: “é preciso globalizar a rebeldia para construir o mundo livre”.

Viva o EZLN!
Viva a resistência de todos os povos!
Viva a liberdade!

Porque a rebeldia, amigos e inimigos, quando é individual é bela.  Mas quando é coletiva e organizada é terrível e maravilhosa”.

Esta entrada foi publicada em Notas, Uncategorized. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.