A situação dos nossos camaradas tchecos na prisão: o cinza, a solidão, a fome.

kamera-nary-tyurma Comida de Nieveganskoie, o isolamento, o tédio, e uma meia-hora de luz do dia. Os encontros através da barreira com vidro resistente a impacto. Nestas condições, os nossos camaradas suportam a prisão. Neste artigo, nós gostaríamos de descrever a realidade cotidiana dos anarquistas presos e descrever formas de apoiá-los. Nós apelamos por ajuda, por apoio a todos os três (no momento da escrita desta artigo não prenderam ainda Igor) e especialmente Martin, para o qual as próximas semanas podem ser decisivas. Estamos pedindo que se faça pressão sobre a direção da prisão de “Pankráts” para respeitar a dieta vegan de Martin e por melhorias nas condições de detenção em geral.

A operação “Phoenix”, agentes policiais e um caso, provavelmente, fabricado.

Recentemente, em abril de 2015, a polícia da República Checa lançou uma operação contra anarquistas, anti-autoritários e ativistas do movimento em defesa dos animais. Esta operação é conhecida como “Phoenix”. Durante a fase inicial, muitas pessoas foram inqueridas, interrogadas, algumas presas, e em vários lugares ocorrem batidas policiais. A polícia apreendeu servidores, computadores, cartões de memória, câmeras, telefones celulares e outros dispositivos digitais e de mídia. Nós ainda não sabemos por quanto tempo se prolongará a operação, quantas pessoas são e quais as intenções da polícia. Em muitos casos, a polícia deliberadamente falsificou e escondeu fatos importantes, a fim de obter a permissão para buscar ou prender pessoas.

O foco principal da mídia foi o caso dos “extremistas de esquerda.” Dos 11 detidos, três deles permanecem presos (Alech, Piotr e Martin), onde aguardam julgamento. Piotr e Martin são acusados ​​de “conspiração para planejar um ataque terrorista”, e Alech por porte ilegal de armas.

Hoje sabemos que o “ataque” era para atingir um comboio, que supostamente a polícia impediu de ser atacado com a prisão de Piotr, Martin e mais duas pessoas (que estão sob investigação sem detenção). Pelo menos dois agentes secretos envolveram-se no planejamento e na elaboração de listas. Esses agentes, especialmente, foram treinados e infiltraram-se no grupo de ativistas e círculos de confiança com o objetivo de obter informações. Em seguida, quando os novos “amigos” instalaram dispositivos de escuta, eles começaram a falar mais sobre a necessidade de uma ação mais agressiva, e começaram a participar ativamente no desenvolvimento de tais planos. O advogado de Martin disse em uma entrevista:

“Meu cliente alega que tudo isso é resultado da operação policial, que ele não tinha intenção de planejar ou realizar ataques terroristas. Ele argumenta que, se não tivesse conhecido os agentes da polícia, provavelmente não teria caído em tal problema”.

A própria polícia elaborou todas as ações propostas. Sem as suas influências todo o processo não existiria. O objetivo da polícia, muito provavelmente, era desacreditar, intimidar e dividir o movimento anarquista, e reunir o máximo de informações sobre os grupos, eventos e indivíduos.

Os presioneiros, as condições de detenção, a solidão e a fome.

Até agora as audiências judiciais não aconteceram e com isso os acusados ainda podem ser considerados inocentes. No entanto, a realidade está longe da cobertura da mídia (que tem apenas sede de sensacionalismo), porque a presunção de inocência foi esquecida na prisão e os detidos são tratados como condenados.

Todos os três foram colocados em diferentes prisões da República Tcheca. Piotr em Ruzyn, Martin em Pankráts e Alech foi recentemente transferido para uma prisão em Brno. Piotr, pelo menos, podia ver outros presos, embora não por muito tempo. Alech e Martin foram colocados em celas solitárias, sem a menor possibilidade de qualquer contato social. À Piotr e Martin permitiram visitas uma vez em cada duas semanas durante um total de 90 minutos e com apenas quatro pessoas. Eles são autorizados a caminhar por 90 minutos em uma área limitada na prisão.

No início de junho, Martin foi transferido para a prisão de Pankráts, em Praga, e as condições já impossíveis pioraram. Ele foi separado de outros presos e transferido para a solitária. Seus pertences pessoais foram apreendidos e não recebeu dinheiro. Como efeito disso, é impossível transmitir-lhe um rádio que este deve ser submetido a inspecção de entrada. Ele se encontra com as pessoas através do alpendre e do vidro, sempre algemado, sendo autorizado a caminhar por 90 minutos por dia.

A situação da dieta de Martin é simplesmente escandalosa. De acordo com o estatuto da prisão de Pankrats, ele tem direito a uma dieta vegan, mas na verdade ele não recebe sequer uma comida vegetariana. Curiosamente, à Martin foi oferecido como alternativa para os produtos de origem animal, carne do porco, que não é vegan. Martin não recebe a quantidade de comida suficiente. Piotr e Alech são vegetarianos, e a eles estão autorizados receber encomendas de até 5 kg uma vez a cada três meses, sendo o seu conteúdo rigorosamente regulado. Isso significa que a alimentação principal deve ser fornecida pela prisão, e não pelas pessoas de fora.

Fazemos um apelo para que apoiem todos os três prisioneiros, especialmente Martin, que sofre com as autoridades da prisão que ignoraram seus pontos de vista éticos sobre os alimentos.

Existem muitas oportunidades para ajudá-lo, mesmo individualmente ou em um grupo pequeno, você pode ajudá-lo a sair dessa situação.

* Ligue, escreva ou faça visitas à prisão de «Pankráts».

Endereço:

Vězeňská služba ČR
Vazební věznice Praha – Pankrác
PO Box 5
140 57 Praha 4
Czech Republic
Номер : +420 261 031 111,
Email: vvpankrac@vez.pan.justice.cz

Fonte do artigo: http://avtonom.org/news/polozhenie-nashih-tovarishchey-v-tyurme-serost-odinochestvo-golod

 

Esta entrada foi publicada em Uncategorized e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.