Começaram as audiências das presas, presos e perseguidos do dia 12/07

10570554_1507927916110718_4219289589567435246_n Começaram no dia 12 de Novembro as audiências das presas, presos e perseguidos políticos do dia 12 de Julho. A primeira convocada pela Justiça foi a estudante de escola pública estadual, moradora de favela, Andressa Feitoza. O segundo foi Deivid, jovem negro, também aluno de escola publica. Andressa foi torturada no presidio de menores, e mesmo assim, com coragem imensa de uma pessoa gigante e com sonhos tão jovens de quem tem 16 anos, manteve-se firme e combatente, lembrando aos que tem medo que a luta apenas começa.
Dia 16 de Dezembro outras companheiras e companheiros serão convocados para nova audiência.
Por maiores que sejam as diferenças políticas em questão, um patrimônio da esquerda sempre foi a solidariedade diante da cadeia e da tortura.
A mesquinharia dos tempos atuais fez uma parte do movimento chegar ao cumulo de legitimar o Estado, pelo seu silêncio, em seu terror. Compraram, ressentidos, o discurso espetacular da mídia, que invadiu cruelmente a vida de duas mulheres lutadoras e quis torná-las o perfil das 23 pessoas processadas, como se todos tivessem a vida delas e como se essas vidas fossem a imagem das classes dominantes. O problema é que a representação se esgotou, esse perfil é farelo e mesmo que ele existisse daria vergonha à falta de solidariedade entre quem luta.
Chegaram a colocar presos contra presos, Rafael Braga contra Caio, e o último, jovem negro de Nilópolis, servente num hospital, esquecido por esses mesmos pregadores, passou a ser um menino mimado e branquelo do Flamengo. A mãe, diarista desempregada, virou patroa. Fabio, também preso a 9 meses como Caio, filho de motorista de taxi e professora primaria, virou, no discurso destes, burguês. Méier virou Leblon.
Mas temos tempo de encontrar as medidas certas. Lutar juntos pela liberdade de Rafael, Caio e Fábio. Não justificar seu medo através de uma retórica banal.
O segredo sempre foi o povo. Os Zapatistas passaram 10 anos em silêncio, nas matas, antes da primeira palavra. Deixemos correr nosso silêncio e nossa música, dançada com as pessoas certas.

Liberdade plena para Andressa!
Pelo fim dos processos!
Liberdade para Rafael, Caio e Fabio!
Ninguém fica pra trás!

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.