Informes da I Plenária Ampliada de Greve do GEP – Grupo de Educação Popular

DSCN1140A plenária contou com a participação de 45 pessoas, sendo iniciada pelos informes dos companheiros e companheiras, com relação ao comando de greve, a passagem nas escolas e a resistência das direções em permitir a circulação de materiais sobre as greves estadual e municipal, dentro destas instituições. Contamos, ainda, com a participação de outros profissionais da educação ligados as redes federais de ensino, com alunos e alunas das escolas estaduais, militantes de comunidade, e apoiadores da greve dos profissionais da educação de uma maneira geral.

 

Foi ressaltada a importância de se construir uma luta popular que envolva as comunidades na greve, que unifique com outras categorias, a necessidade de se colocar como pauta da greve a questão do combate ao autoritarismo dentro dos espaços escolares e de se construir uma greve da educação efetivamente, incorporando, para isso, a pauta de reivindicações dos educandos e familiares, seja quanto aos problemas de recebimento do riocard, seja com relação as condições de aula, alimentação e a perseguição política dos alunos atuantes em grêmios. Além disso, avaliou-se que é fundamental, durante esta greve, fortalecer a pauta pedagógica para a transformação efetiva das realidades dos colégios, e que a radicalização da luta se torna imperativa, tendo em vista a resistência por parte do governo, das secretarias e das direções de colégio com relação as nossas reivindicações.

 

Trazemos algumas tarefas e metas gerais delibrados por nós:

 

– Campanha de combate ao “AI-5 das escolas” (uma lei do governo que impede a livre divulgação de materais nas escolas), reafirmando a importância da democracia nos espaços escolares, combatendo a censura tanto com relação ao movimento estudantil, quanto ao movimento sindical, e questionando a presença policial repressora nestes espaços. Colocaremos como ponto de pauta da greve, a ser aprovado pela assembleia geral dos profissionais da educação, este combate ao “AI-5 das escolas”, decreto baixado pela secretaria de educação das redes estadual e municipal.

 

– Defender na assembleia geral, ainda, que as demandas dos alunos sejam incorporadas a pauta de greve, numa tentativa de construção de uma greve dos próprios alunos e alunas, tendo em vista suas reivindicações específicas, unificando as diferentes lutas da educação.

 

– Orientação para que alunos e alunas promovam assembleias de educandos locais, a fim de que construam um movimento fortalecido de luta por uma educação de qualidade e a serviço do povo.

 

– Confecção de banners digitais para a promoção das pautas de reivindicação dos alunos e alunas nas redes sociais.

 

– Confecção de material de estímulo a formação de grêmios estudantis.

 

– Passagem em escolas e no restante da comunidade, para panfletagem e construção de trabalho de base em três regiões focais: Mangueira, Providência (ambas, previstas para a segunda semana de greve) e Maré (a ser realizada na próxima quarta-feira, dia 14/05, as 14h, cujo ponto de encontro é a Passarela 7, Timbau ).

 

 

PRÓXIMA PLENÁRIA AMPLIADA DO GEP: SEGUNDA FEIRA, DIA 19/05, AS 17H, NO IFCS.

 

 

Com educadorxs e educandxs em luta, não tem arrego!

 

Deixa passar a revolta popular!

 

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.