O que o povo organizado pode fazer?

O fato mais violento de todos que ouvi em relação aos transportes: na precariedade de vida, pessoas DEIXAM DE COMER para pagar o ônibus em que vão trabalhar. É inimaginável a violência de alguém que passa por isso, a violência que as pessoas pobres, as marginalizadas, negrxs, travestis, mulheres precarizadas, indígenas, moradores de favela e periferia, usuários de transportes públicos lotados e caros passam todos os dias não tem classe média e mídia burguesa que vá entender jamais. E nessa realidade brutal escutamos todos os dias de que a polícia mais sanguinária da Améria Latina não encontra adversários, que não temos meios de resistir. O povo na rua, o povo que está com ódio, que está cansado, que já não quer mais sufocar, provou que eles devem ter medo. Medo não é para nós, é para os 80 PMs encurralados na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, que tremeram ao som do “Sai com a mão pro alto”.

Medo é o que os políticos, os ricos e seus aliados vão sentir quando o povo perceber que não precisa de nenhum desses parasitas. Nós sustentamos a cidade, a construímos com nossas mãos, a nutrimos com nossa dor e nosso trabalho, morremos trabalhando por poucos trocados inclusive nos transportes públicos, onde a condição dos motoristas e trocadores (e motoristas-trocadores que morrem em acidente de trabalho planejado) é deplorável, é violenta. O poder popular está nas ruas e quer retomar o que é seu por direito. Se a “casa do povo” arde em chamas, é porque elas não nos representa em absoluto! Você algum dia pensaria que a PM pudesse ter medo? Então você ainda não viu nada!

 

Esta entrada foi publicada em Uncategorized e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a O que o povo organizado pode fazer?

  1. Marcos Aurélio Lacerda da Silva disse:

    Concordo integralmente. Já passou da hora da esquerda do movimento estudantil de classe-média parar de subestimar a sensibilidade e a inteligência do povo e se unir aos movimentos populares nas favelas, conjuntos habitacionais e bairros operários para criar organicidade e potência na luta popular e na resistência política do povo pobre, que já vem acontecendo há muito tempo, como todos nós sabemos e que é muito inteligente e politizada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.